Eventos

<<  Dezembro 2017  >>
 S  T  Q  Q  S  S  D 
      1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Terça - 12 de Dezembro de 2017
Dicas de entretenimento da semana
Entretenimento
Escrito por André Rossi   
Sex, 14 de Setembro de 2012 13:43
Resident Evil: está na hora de parar
 
 
 
Os primeiros games da franquia “Resident Evil” são verdadeiras obras de arte da melhor qualidade. Apesar de a série estar passando por um perigoso processo de reconstrução no momento, 80% do que é lançado sobre a franquia é de boa qualidade. Infelizmente, o mesmo não pode ser dito da franquia cinematográfica “Resident Evil”, que desde o primeiro filme não consegue acertar em nada.
 
O maior problema de todos é que a protagonista Alice não é nem um pouco carismática, foi mal desenvolvida ao decorrer dos quatro filmes anteriores e não é uma personagem dos games; foi criada especialmente para os filmes. Agora, no novo filme “Resident Evil 5: Retribuição”, os roteiristas estão tentando compensar os erros um pouco tarde demais com a inserção do personagem Leon S. Kennedy, protagonista de dois games da série. A franquia cinematográfica deveria ter sido iniciada com Leon, baseando-se a partir do segundo game. Para os fãs dos jogos, resta esperar que o novo filme faça uma péssima bilheteria para, quem sabe, passar por um reboot; assim, poderíamos sonhar com um filme de qualidade da série “Resident Evil”.
 
Na trama, Alice (Milla Jovovich) é capturada pela Umbrella e acorda no coração da central de operações deles; enquanto ela penetra mais fundo no complexo, mais de seu passado é revelado e ela continua a buscar os responsáveis pela epidemia. Sua busca leva ela e seus recém adquiridos aliados de Tóquio à Nova Iorque, Washington D.C. e Moscou. Depois de uma revelação explosiva, ela é forçada a repensar tudo, finalmente descobrindo a verdade sobre si mesma e sobra a Corporação Umbrella.

 
“Heleno”: a vida frenética de uma estrela solitária
 
 
 
É extremamente gratificante assistir um filme nacional da qualidade de “Heleno” (2011). Dirigido por José Henrique Fonseca e inspirado no livro “Nunca Houve um Homem como Heleno”, do autor Marcos Eduardo Novaes, o primeiro acerto do filme é ser em preto e branco, transportando o público para a década de 1940. Infelizmente, àqueles que assistirem ao filme esperando que o foco seja no futebol vai se decepcionar, já que a obra trata fundamentalmente da polêmica vida do jogador Heleno. O roteiro, que é muito bem escrito, não é linear. Acompanhamos diversos flashes de vários momentos da vida de Heleno fora de sua ordem cronológica; uma tentativa eficaz de passar para o público o quão frenética e confusa era a vida do jogador. 
 
Na trama, o jogador de futebol Heleno de Freitas (Rodrigo Santoro) era considerado o príncipe do Rio de Janeiro dos anos 1940, numa época em que a cidade era um cenário de sonhos e promessas. Sendo ao mesmo tempo um gênio explosivo e apaixonado nos campos de futebol, além de galã charmoso nos salões da sociedade carioca, tinha certeza de que seria o maior jogador brasileiro de todos os tempos. Mas seu comportamento arredio, sua indisciplina e a doença (sífilis) foram minando o que poderia ser uma grande jornada de glória, transformando-a numa trágica história. 

 
“Mark of the Ninja”: guerreiro de raiz no Xbox 360
 
 
 
Um ninja é um guerreiro muito habilidoso, mas que precisa especialmente da escuridão para ser eficiente em suas missões. Essa visão “clássica” dos ninjas foi deturpada ao longo dos anos, especialmente na indústria do entretenimento. Porém, o jogo “Mark of the Ninja”, lançado para Xbox 360 na semana passada via download, tem como principal diretriz usar da escuridão para derrotar os inimigos.
 
Com jogabilidade em plataforma, o game é extremamente escuro e proporciona diversos pontos para se esconder no ambiente. Os inimigos são munidos de metralhadoras e lanternas; chegar na frente deles é pedir para morrer, já que o ninja só usa armas brancas e são apenas humanos. Por isso, é preciso se aproximar furtivamente dos inimigos, escalando prédios, se escondendo em bueiros e sendo extremamente rápido para finalizar os inimigos. Uma ótima pedida para quem curte títulos estratégicos.  
 
O game custa 1.200 Microsoft Points.


HQ “Independência ou Mortos” é lançada pela Nerdbooks
 
 
 
O selo de livros independentes Nerdbooks, do site Jovem Nerd (www.jovemnerd.com.br) lançou no último dia 7 de setembro a primeira graphic novel da linha: “Independência ou Mortos”, escrita por Abu Fobiya (pseudônimo de Fábio Yabu). 
 
Na trama, a História do Brasil é recontada em quadrinhos a partir da vinda da família real portuguesa para o país em 1808. A fuga de D. João VI, sua esposa Carlota Joaquina e seus filhos Pedro e Miguel torna-se um pesadelo quando seu navio é tomado por zumbis. Quando o horror se espalha para as terras brasileiras, caberá a D. Pedro I libertar o país não apenas dos zumbis, mas também do domínio português, com o grito destinado a ecoar para toda a eternidade: "Independência... ou mortos!"
 
A HQ é capa dura, tem 160 páginas (em preto e branco), custa R$ 49,90 e está disponível somente na Nerdstore (www.nerdstore.com.br).
 

Dica

O Sesc Piracicaba apresenta durante o mês de setembro uma programação especial em homenagem ao compositor, instrumentista e cantor Luiz Gonzaga, grande divulgador da música nordestina. 
 
Nesse domingo (16/09), um trio de alunos de música da Unicamp chamado “Viva Trio” celebra as músicas de Gonzaga e seu filho Gonzaguinha com novos arranjos e interpretações no show “Os Gonzagas”.
 
O show é grátis e começa às 16h na Comedoria do Sesc, que fica na rua Ipiranga, 155, no centro. O telefone para mais informações é o (19) 3437-9292.



 
Copyright © 2009 - 2017 - O RIO-PEDRENSE. Site desenvolvido por CM+P
Rua Massud Coury, 864, Bom Jesus, Rio das Pedras-SP - CEP: 13390-000 - Tel: (19) 3493-2156