Eventos

<<  Dezembro 2017  >>
 S  T  Q  Q  S  S  D 
      1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Terça - 12 de Dezembro de 2017
Dicas de entretenimento da semana
Entretenimento
Escrito por André Rossi   
Sex, 21 de Setembro de 2012 13:47
“Ted” e o roteiro insano de MacFarlane
 
 
 
Seth MacFarlane, criador do desenho animado “Uma Família da Pesada” (Family Guy), é um autor genial e ao mesmo tempo muito perturbado. Gosta de chocar o público com situações limite e adora uma polêmica. Agora, MacFarlane está chegando ao cinema como diretor em um projeto um tanto diferente, intitulado “Ted”, que estréia nessa sexta-feira.
 
O roteiro do filme brinca com um desejo muito comum entre as crianças: que seus brinquedos ganhem vida. Entretanto, o argumento do roteiro gira em torno das consequências de ter esse desejo realizado e ter que viver com o seu brinquedo falante para o resto da vida. No caso do protagonista do filme, o brinquedo em questão é um ursinho de pelúcia chamado Ted. A premissa lembra um pouco a série de tv “Wilfred”, mas a diferença é que todas as pessoas podem ver o ursinho falar (não são alucinações do protagonista) e isso gera situações extremamente constrangedoras e politicamente incorretas, ou seja, a marca registrada de Seth MacFarlane.
 
Na trama, é Natal e o pequeno John tem apenas um pedido a fazer ao Papai Noel: que seu ursinho de pelúcia, Ted, ganhe vida. O garoto fica surpreso ao perceber que seu pedido foi atendido e logo eles se tornam grandes amigos. John e Ted crescem juntos e o urso de pelúcia se torna bastante mal humorado com a idade. Já adulto, John (Mark Wahlberg) precisa decidir entre manter a amizade de infância ou o namoro com Lori Collins (Mila Kunis).

 
Um projeto superestimado
 
 
 
Os problemas do filme “Projeto X – Uma Festa Fora de Controle” começam na forma como ele foi vendido, que sugeria que se tratava de uma comédia aos moldes de “Superbad – É Hoje” (2007). Entretanto, essa produção está mais para um drama adolescente com alguns elementos cômicos do que para um filme de comédia. 
 
Uma das grandes qualidades da obra, que é filmada no estilo documental (câmera na mão) é o ritmo frenético, que dá a impressão do filme ser mais longo do que é e consegue passar a sensação ao público de que realmente tem muita acontecendo na ousada festa de aniversário do jovem Thomas. E aí entra o principal problema do filme: o elenco. O roteiro não permite com que eles tenham grandes chances de mostrar seu talento, até porque os personagens passam a maior parte do tempo chapados. No fim das costa, é só mais um filme rápido para a geração Youtube, que sonha em participar de uma festa épica como a retratada na obra.
 
Na trama, Thomas (Thomas Mann), Costa (Oliver Cooper) e JB (Jonathan Daniel Brown) são grandes amigos. Eles não são populares no colégio nem têm namorada. Sonhando dar uma virada na situação, eles planejam transformar o aniversário de Thomas em um acontecimento épico. Para tanto realizam uma grande festa na casa do aniversariante, aproveitando o fato que os pais dele estarão viajando no fim de semana.

 
Counter-Strike e o saudosismo perigoso
 
 
 
No Brasil, o grande responsável pelo “boom” das Lan Houses foi o jogo multiplayer Counter-Strike, originado de uma versão modificada do game “Half Life”. O game era leve, funcionava em qualquer computador e era uma das melhores opções para quem gostava de shooter (jogos de tiro). 
 
Entretanto, mais de uma década se passou e jogos muito melhores e mais competentes surgiram. É por isso que o novo “Counter-Strike: Global Offensive”, lançado via download para Xbox 360, PS3 e PC não funciona mais. O argumento do jogo (policiais tentando impedir terroristas de explodirem bombas) é muito raso perto dos roteiros de alguns games atuais, como Battlefiedl 3. E até mesmo no modo multiplayer a diferença é gritante. Counter-Strike não evoluiu em jogabilidade, apenas ficou um pouco mais bonito visualmente. Para quem é fã da série, serve. Mas para quem está procurando o game de shooter definitivo, vai ficar bem decepcionado.

 
Card game “Summoner Wars” é lançado no Brasil
 
 
 
A empresa de jogos de tabuleiro Galápagos Jogos teve a louvável iniciativa de trazer para o Brasil o card game norte-americano “Summoner Wars”, cujo estilo é muito famoso nos EUA. 
 
Os jogadores assumem o papel de Summoners (invocadores): personagens mágicos que usam o poder de uma misteriosa Pedra de Invocação para liderar sua facção na conquista do devastado planeta de Itharia. Estes Summoners conjuram terríveis magias no campo de batalha, congelando inimigos e sugando seus poderes e energia. O card game pode ser jogado em duas ou quatro pessoas. 
 
A caixa do jogo custa R$ 69,90 e vêm com três decks (Anões, Goblins e Elfos da Selva), campos de batalha, 20 marcadores de ferimento, cinco dados e livro de regras colorido e ilustrado. O jogo está disponível para compra no site www.galapagosjogos.com.br 


Dica
 
O Sesc Piracicaba presta homenagens no mês de setembro ao diretor de cinema John Ford exibindo diversos de seus filmes. Na próxima terça-feira (25/09), “Nos Tempos Das Diligências” (1939), será exibido gratuitamente às 20h no teatro da instituição. É preciso retirar o ingresso no local com uma hora de antecedência. 
 
Na trama, ao atravessar o Arizona numa diligência, um grupo se envolve em diversas aventuras, inclusive enfrentando índios guerreiros. Além do ataque dos paches, Ringo Kid também se defronta com os assassinos de seu pai e irmão.

 
Copyright © 2009 - 2017 - O RIO-PEDRENSE. Site desenvolvido por CM+P
Rua Massud Coury, 864, Bom Jesus, Rio das Pedras-SP - CEP: 13390-000 - Tel: (19) 3493-2156