Eventos

<<  Outubro 2017  >>
 S  T  Q  Q  S  S  D 
        1
  2  3  4  5  6  7  8
  9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     
Quarta - 18 de Outubro de 2017
Artigo - Às margens de onde vivo
Ponto de vista
Escrito por Administrator   
Sex, 21 de Dezembro de 2012 12:00
Por Mateus Costa de Jesus*

Moro no interior de São Paulo, em uma cidade chamada Tietê, também conhecida como "Cidade Jardim", esse nome é em homenagem a Praça Dr. Elias Garcia, a mais bonita do estado de São Paulo. O município conta com vários pontos turísticos e com a tradicional festa do Divino Espírito Santo. O cenário que marca essa festividade começa no rio Tietê e termina em suas margens. 
 
Mas, como toda cidade, Tietê tem problemas, entre eles a poluição do rio Tietê é o que se destaca. O fluxo de água passa no meio do município, a água com coloração de ferrugem e o odor forte denigrem a imagem da cidade. Essa situação me leva a confrontar ideias, como uma antítese, a cidade tem vida, repleta de encantos e beleza e ao mesmo tempo serve de passagem para um rio morto.
 
Entretanto, nem sempre foi assim, pois o rio antigamente era rico em fauna e flora, contribuiu muito com a pesca e com o desenvolvimento de Tietê e do país. 
 
O rio Tietê nasce límpido na Serra do Mar, em Salesópolis e conta com cerca de 1.150 Km de extensão, em seu percurso recebe todo tipo de lixo e esgoto sem tratamento, o que o torna poluído.
 
Desde o século XIX o rio deixou de ter vitalidade, inclusive serviu de tema para o poema "Meditação sobre Tietê", de Mario de Andrade. 
 
O Tietê é um problema de muitas cidades paulistas, infelizmente o esgoto sem tratamento é despejado na maioria das cidades por onde passa. O odor exalado pelo rio em período de chuva agride ainda mais os moradores tieteenses que vivem próximos a ele.
 
Especialistas já tentaram resolver a poluição, porém todas frustradas. O que foi sinônimo de desenvolvimento, hoje é visto como um problema sem solução. 
 
Há um projeto de construção de barragem em vários pontos, que também abrange Tietê, mas não está sendo bem visto por ambientalistas, esses afirmam que os reservatórios interferem na característica geológica natural, isso ocorre porque as corredeiras e os poluentes lançados ficam retidos nos lagos. 
 
Por outro lado, o diretor do Departamento Hidroviário do Estado de São Paulo, Casemiro Tércio Carvalho, aponta que os impactos serão insignificantes e que a construção da barragem contribuirá para a retenção e a retirada do lixo lançado no rio.
 
Apesar de mais uma tentativa em resolver os problemas do rio Tietê, pessoalmente concordo com os ambientalistas, uma vez que o projeto não estabelece critérios para evitar danos futuros ao meio ambiente. 
 
Além disso, o projeto afetará uma pequena comunidade de Tietê, essa contou há pouco tempo com postes de iluminação, contudo se levarem a diante este planejamento a vila será inundada. Isso demonstra a falta de compromisso com os cidadãos tieteenses, uma vez que receberam melhorias e logo terão que deixar o local. 
 
Outra questão preocupante é a falta de conscientização à população tieteense. No entorno do rio não se vê placas e lixeiras suficientes para depósito de lixo. Por falta de uma campanha comunitária os moradores do município de Tietê não contribuem para tornar o rio menos poluído, assim descartam o lixo, tanto orgânico como reciclável no leito do rio. O Centro Cultural e Ecológico Cornélio Pires é o único local que segue padrões para a conscientização da população que ali transita.
 
Enfim, como cidadão tieteense defendo a ideia da preservação e da resolução dos problemas, principalmente porque o rio um dia já foi um dos recursos fundamentais para a constituição de Tietê, mas isso não significa aplaudir projetos obscuros sem antes analisá-los e ponderar sobre as consequências. A conscientização da população em prol a despoluição do rio através de pequenos gestos ajudaria para não se chegar a um estado mais crítico. 
 
O que não podemos é ficar diante de um problema que se arrasta feito um rio e continuarmos estáticos, como se a poluição não nos afetasse.
 
Não sou tão otimista em pensar que a solução é imediata, mas com certeza em longo prazo o rio voltará a ter vida e consequentemente melhorará a qualidade de vida dos tieteenses e teremos orgulho de apresentar a "Cidade Jardim" aos turistas, como também a grande festa do Divino Espírito Santo terá um cenário digno de uma celebração cristã.

*Mateus Costa de Jesus, 17, mora na cidade de Tietê - SP e cursa o 3º ano do Ensino Médio integrado com o curso Técnico de Agropecuária na Etec Dr. José Coury (Colégio Agrícola) em Rio das Pedras. Ele também faz o curso de Técnico Florestal na Etec. Seu artigo ficou entre os 38 melhores do país na Olimpíada de Língua Portuguesa.
 
 
 
Copyright © 2009 - 2017 - O RIO-PEDRENSE. Site desenvolvido por CM+P
Rua Massud Coury, 864, Bom Jesus, Rio das Pedras-SP - CEP: 13390-000 - Tel: (19) 3493-2156